A misericórdia é a única forma de combater o mal

A misericórdia é a única forma de combater o mal em PDF

 

A misericórdia é a única forma de combater o mal

 

Introdução

     Jesus empreende uma profunda reflexão acerca da virtude da misericórdia, e para compreendê-la melhor, ele sempre estabelece uma relação com o seu oposto, a condenação, evidentemente no seu aspecto moral, pois a ética cristã está para além da normatividade jurídica.  Continuar lendo

A Virtude da Pureza

A virtude da pureza em PDF

 

A Virtude da Pureza

ou do acolhimento da luz no íntimo da alma

     A análise de Kardec em torno do evangelho visa explicitar sobretudo como Jesus apresenta um efetivo programa de desenvolvimento espiritual e moral da criatura, em plena concordância com a constatação da imortalidade da Continuar lendo

O primado da humildade

O primado da humildade em PDF

 

O primado da humildade

 

     A virtude da humildade não impõe a negação da inteligência, como se fosse uma exigência moral que determina a manutenção da ignorância, ou ainda que a ignorância é condição necessária para se acreditar em Deus. Um dos maiores estratagemas do Continuar lendo

Cérebro Espiritual? Órgãos Espirituais?

O conceito de perispírito divulgado na atualidade é de fato coerente com os postulados estabelecidos na pesquisa de Allan Kardec? Buscamos indicar algumas contradições em face de três princípios fundamentais: distinção ontológica entre matéria e espírito; natureza do perispírito e o princípio da não retrogradação da alma. Continuar lendo

Jesus e o referencial transcendente (2/2)

 

Embora o referencial transcendente instituído por Jesus é exaltado positivamente e humanisticamente na análise kardequiana, é preciso ressaltar também a desvalorização que a noção de vida futura sofreu na contemporaneidade. Num terceiro momento, buscamos a posição da filosofia espírita em face dessa mesma crítica.

Autoridade da Doutrina Espírita

Autoridade da Doutrina Espírita em PDF

Diante dos postulados do Espiritismo, já podemos compreender que a mediunidade é um fato social, ou que ela constitui necessariamente a estrutura originária da sociedade, de maneira que é absolutamente certo dizer: a sociedade dos homens só é possível Continuar lendo

As vozes do céu

                  O verdadeiro caráter do Espiritismo  

 

     Iniciando o estudo sistemático do Evangelho segundo o Espiritismo, pretendemos realizar algumas considerações das ideias que germinam no prefácio. Ressaltamos a natureza do Espiritismo e o processo do seu advento.  Continuar lendo

Como os Espíritos se alimentam?

[Artigo retificado]

A resposta é muita clara e bem fundamentada na investigação de Kardec. Vemos no sr. Cosme Massi, que é um esclarecido e profundo estudioso do pensamento kardeciano, uma importante ferramenta para uma efetiva crítica da produção Continuar lendo

Notícias sobre o GEAK-IPEAK

Foi com uma grande satisfação que, ao verificar minha caixa de entrada, tive conhecimento do e-mail enviado pelo GEAK-IPEAK (Grupo de Estudos Allan Kardec e Instituto de Pesquisa Espírita Allan Kardec). Esse grupo de estudos, desde 2007 Continuar lendo

Decepção com o Espiritismo

Muitos são os Espíritos faladores que se apresentam como mestres espirituais, instrutores da humanidade perdida. Kardec já compreendia esse perigoso obstáculo para a investigação da verdade e demonstrou que os Espíritos, ou Continuar lendo

Perguntas que se podem fazer

Na época de Allan Kardec, as manifestações dos Espíritos se davam em toda parte, e chegavam notícias a respeito para além da Europa, advindas da América. De certo modo, então, a relação com os Espíritos era generalizada, muitos grupos se Continuar lendo

A decadência da divulgação espírita

Começamos essa singela reflexão com uma triste constatação: de fato, e infelizmente, o Espiritismo é o “Grande Desconhecido”. Será que a massa de adeptos não conseguem perfurar o denso véu de superficialidade que maltrata e Continuar lendo

Sematologia e Tiptologia – Elementos de convicção na investigação de Allan Kardec

A forma das manifestações inteligentes possui também a sua história e seus desenvolvimentos acompanham os avanços da investigação espírita empreendida por Allan Kardec. Nesse sentido, ele nos oferece o relato Continuar lendo

Filosofia viva e racional, sem o espírito de sistema

A posição filosófica de Kardec – Uma lição de
Cassirer – A moral espírita decorre dos ensinos do Cristo.

                                                                                     Por José Herculano Pires

Kardec foi ou não foi um filósofo? O Espiritismo é ou não é uma filosofia, um sistema filosófico? Essas indagações vêm sendo formuladas ultimamente, em alguns meios espíritas, diante da alegação de alguns adversários da doutrina, Continuar lendo

Sistemas – Elementos para a crítica da produção do conhecimento científico

Ao observar o processo de edificação das teorias científicas, é possível constatar que para um conjunto de fatos naturais houveram diferentes teorias, e até mesmo contraditórias em certos pontos fundamentais, para explicar esses mesmos fatos. Isso ocorre por diversos fatores, desde a concentração Continuar lendo

De que o Espiritismo não é obra de um homem

(Fundamentação VI, a partir da sexta secção da conclusão de O Livro dos Espíritos)

“O Espiritismo não é obra de um homem. Ninguém se pode dizer seu autor porque ele é tão antigo quanto a Criação; encontra-se por toda parte, em todas as Religiões…” – Allan Kardec  Continuar lendo

Caráter do Espiritismo

Revista Espírita

Jornal de Estudos Psicológicos

 

“(…)É ainda para notar que todas as doutrinas filosóficas são obra de homens, cujos ideais são mais ou menos grandes, mais ou menos justos: todas tem um chefe, em torno do qual se reuniram outros homens partidários do mesmo ponto de vista.

Quem é o autor do Espiritismo? Certo ou errado, quem imaginou essa teoria? É verdade que se procurou coordená-la, formulá-la, explicá-la. Mas a ideia primeira, quem a concebeu? Ninguém. Ou, melhor, todo mundo, porque todos puderam ver, e aqueles que não viram foram os que não o quiseram ou o quiseram a seu modo, sem romper o círculo de suas ideias preconcebidas, o que os fez ver e julgar mal. O Espiritismo decorre de observações que cada um pode fazer, que não constituem privilégio de ninguém, o que explica a sua irresistível propagação. Não é o produto de nenhum sistema individual, circunstância que o distingue de todas as outras doutrinas filosóficas.”

                                                                  Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas

                                                                                                  Maio/1859 – Allan Kardec