Aforismos para a Aurora Longínqua – 29

 

29- Comer, transar, dormir e falar mal dos outros, por enquanto isso ainda é o homem na face da Terra. Agora, dizendo tudo isso de uma forma a elogiar a civilização: os requintes da gastronomia, a liberdade sexual, o entretenimento (que não deixa de ser uma espécie de sono) e o sentimento de superioridade. Conclusão: a civilização é só um eufemismo da barbárie.

Anúncios

Sensibilidade de um cadáver

 

Sensibilidade de um cadáver

Em mim desfalecem todas as luzes,
Todos os amores; sou furna sombria
De cansaço e derrota, estranha magia
De sono, de secura, de mau augúrio.

Fico a tremer no terror da morte lenta
Onde se cadaveriza o espírito e a
Carne cresce no inchaço da paixões – fermento maldito –
E uma dor sem súplicas em tudo me arrebenta.

Oh império de sombras que me domina,
No meu rosto – nem mais uma lágrima cristalina!
Oh! Eu quero chorar! Como não posso chorar?

Tiraram-me o que é mais santo:
O orvalho que rola do pranto,
O choro e o soluço, que era o meu único canto.

(Escrito em 25 de agosto de 2010, da série Lágrimas de Morte)

 

Adeus: a imensidão da dor

 

Adeus: a imensidão da dor

 

         Saí de “casa” como um guerreiro e é como um guerreiro que quero voltar.

     Deixei o regaço de teu abraço, de teu corpo saliente e juvenil, de teu espírito de doçura. A tudo precisei dizer adeus.

     Com mil hesitações e tempestades de inquietações fui me arrastando, sem saber por onde pisar, e o orgulho me deixava ainda muito pesado.

     Percebo que agora só consegui dar um ou dois passos de crescimento do espírito e que o risco de permanecer estacionário e frustrar as boas possibilidades da vida no tempo é quase total!

 

(Escrito em 13 de junho de 2011, da série Lágrimas de Guerra)

Dor e Lucidez

 

Dor e Lucidez

     Senhor, por sua bondade, recebe o meu canto de dor.

Na vasta região da minha alma tudo se revoluciona diante dos vossos raios de amor.

Senhor, tudo aqui dói, e nessa dor abrasadora ainda luto para me manter consciente dos vossos desígnios, que dão o sentido de luz para a dor.

Mas, meu mestre, sê comigo no esforço, esclarece as partes mais obscuras de mim mesmo.

Pois, Divino, tenho medo… A que mil fantasias não me entrego, alimentando a minha vaidade? São tolices mil que fervilham no meu cérebro.

Caminho de amor, simplicidade, humildade e serviço… Ai! Como essas estrelas de teu evangelho estão longe de mim!

Senhor.

Na minha escuridão, te amo.

 

(Escrito em 12 de junho de 2011, da série Lágrimas de Guerra)

 

O que nos torna um verdadeiro cristão?

O que nos torna um verdadeiro cristão? em PDF

 

     Como pensar que qualquer indivíduo que não tenha cumprido retamente os deveres que a caridade impõe esteja de fato salvo? Que sem caridade ainda sua alma possa gozar de uma eternidade com Deus? Pois é disso que Jesus está falando: da possibilidade de união do homem com Deus, e a realização dessa união é a salvação. Continuar lendo

O senso moral é intrínseco a consciência? Resposta ao prof. Cosme Massi

 

     Cosme Massi pesquisa a obra de Kardec a mais de trinta anos e entre várias de suas primorosas palestras, é possível identificar uma interpretação da questão 621 de O Livro dos Espíritos, onde ele propõe que as leis de Deus são adquiridas pelo Espírito no tempo, de modo que não há uma imanência constitutiva das leis de Deus na natureza humana. Eu, com base nos textos doutrinários, defendo a tese oposta de que o senso moral encerra as leis de Deus e constitui a própria natureza espiritual do homem. De modo que o conhecimento das leis divinas, de certo modo, seria um reconhecimento, uma reminiscência platônica.

Fora do Espiritismo não há salvação?

Fora do Espiritismo não há salvação? em PDF

 

     A caridade não é exclusiva de nenhuma religião, ela é a lei suprema da moralidade da consciência instituída por Deus nas criaturas, e somente ela, segundo Kardec, oferece o “acesso à felicidade suprema”, e portanto, a salvação da alma. Visto que ela constitui o próprio senso moral da alma, é a expressão máxima da moralidade da consciência, nisto consiste também a sua universalidade: todos os homens sentem o apelo do senso moral intrínseco à consciência os admoestando para se viver a caridade nos pormenores de sua existência. Continuar lendo

São Paulo define perfeitamente a caridade

São Paulo define perfeitamente a caridade em PDF

 

“Se eu falar as línguas dos homens e dos anjos, e não tiver caridade, sou como o metal que soa, ou como o sino que tine. E se eu tiver o dom de profecia, e conhecer todos os mistérios, e quanto se pode saber; e se tiver toda a fé, até a ponto de transportar montanhas, e não tiver caridade, não sou nada(…)”  (Paulo, I Coríntios, XIII: 1-7 e 13).

 

      Ao falar da caridade, São Paulo, o apostolo dos gentios, a define sob o ponto de vista da eternidade, e ao considerá-la assim, sob a perspectiva da vida infinita em Deus, ele proclama então que a caridade está acima da própria fé; ela é, em verdade, a mais excelente das virtudes, de maneira que, quando houver a consumação dos séculos, a caridade ainda permanecerá como luz de Deus que irradia por toda eternidade. Continuar lendo

Os Pré-Socráticos e o Espiritismo

 

     No corpo doutrinário, há uma metafísica e também uma cosmologia. Desse modo, quais as possíveis relações entre a cosmologia espírita e os esforços dos pré-socráticos, que representam uma incipiente, porém poderosa reflexão sobre os fundamentos últimos da natureza? Sendo o Espiritismo uma cosmovisão, ele pode, portanto, buscar identificar os seus precursores ao longo da história, em virtude de possíveis convergências que se evidenciam num breve exame comparativo. Isso não significa um mero ecletismo filosófico, mas sim o esforço de encontrar na história do pensamento a unidade da verdade que é pouco a pouco conquistada e que suplanta os vários sistemas que apreenderam alguns de seus aspectos. Desse modo, o Espiritismo segue a sua natureza de síntese do processo de conhecimento, por possuir a chave natural, concernente aos problemas do Espírito, e por não se encerrar no espírito de sistema.

A única via de salvação

A única via de salvação em PDF

 

     Ao estudarmos os ensinos de Jesus relatados pelos evangelistas, verificamos que ao longo de seu ministério há um constante diálogo com o judaísmo, e mesmo um embate com os seus mais sistemáticos representantes, na figura dos fariseus e saduceus. Continuar lendo

A caridade acima da ortodoxia

A caridade acima da ortodoxia em PDF

 

O Espiritismo, sendo uma cosmovisão eminentemente religiosa, também carrega em seu seio uma soteriologia, isto é, uma doutrina da salvação. A soteriologia, segundo Kardec, é o “caminho da felicidade eterna.” Desse modo, o problema religioso mais importante, que toca profundamente toda e qualquer consciência, mesmo entorpecida Continuar lendo