Providência Divina e História Humana

Providência Divina e História Humana em PDF

O apocalipse como o último ato do drama terreno

 

 

     Em relação às religiões cosmológicas e pagãs, o cristianismo se distingue também pela perspectiva histórica que se abre ante a consciência humana: o homem não é mais apenas uma parte do cosmos, onde está inevitavelmente submetido ao seu movimento cíclico, dentro de um mundo fechado, que lhe é indiferente e regido por forças antagônicas. Continuar lendo

Na intimidade da dor

     O quarto estava escuro, a Ave Maria de Shcubert havia sido tocada e cada canto resguardava um silêncio melancólico. Naquela cama estava um corpo envelhecido, meio retorcido, enrijecido. O rosto era de dor e o abençoado sono interrompia um pouco o arrastar das horas em que a morte se aproxima, mas nunca chega. Já eram anos em que o corpo se tornou literalmente uma prisão, os sentidos se embotaram, a fala era ininteligível, a alimentação por via nasal e apenas um olho ainda permitia ver confusamente o rosto dos seres amados e as luzes que por vezes visitavam o quarto. Continuar lendo

A fé como intuição da perfectibilidade

A fé como intuição da perfectibilidade em PDF

 

     Qualquer ser humano é dotado de fé, porque ela é o sentimento inato de suas infinitas possibilidades relacionadas diretamente com a sua natureza. O homem sabe que é perfectível e que mediante um trabalho ordenado e constante ele pode alcançar uma realização de si que transcende significativamente seu estado atual. A fé nasce dessa certeza intuitiva, porém, ela se distingue como uma força que impele à ação, e não como mera expectativa das possibilidades. Continuar lendo

A fé se completa na ação virtuosa

A fé se completa na ação virtuosa em PDF

 

     A fé tem um sentido prático na existência humana, ela só pode exercer os seus benefícios quando impele o homem a uma atividade, a uma ação constante. Inicialmente ela surge como uma intuição das possibilidades, de que algo é possível, e que será realizado no futuro mediante o trabalho necessário, assim temos: a fé (a certeza de que algo é possível), a esperança (a espera da sua realização) e a caridade (o trabalho, o empenho correto para a realização). Continuar lendo

Diálogo sobre a Homossexualidade

Diálogo sobre a Homossexualidade em PDF

 

Homossexualidade e autonomia do Espiritismo em relação à Ciência

 

Breve explicação

 

 

     Após a leitura de Meditações Espíritas sobre o Sexo, o senhor Acadêmico iniciou um diálogo comigo sobre alguns pressupostos contidos na brochura citada e também sobre a validade epistemológica do Espiritismo.

      O Espiritismo precisa esperar em tudo a sanção da ciência? Do que valeria então seu saber, se outra ciência tem que validar suas conclusões morais e espirituais? Considerando a cosmovisão espírita, o problema da homossexualidade não pode ser julgado com base na necessidade da transcendência total do Espírito no tempo e na necessidade da ascensão na escala espírita? Está é a problemática que orienta todo o diálogo.

     Desejo uma boa leitura e saúdo o inesquecível mestre:

      Ave, Platão! Continuar lendo

Não se deve esperar o momento propício

Não se deve esperar o momento propício em PDF

 

     Quando Jesus se aproxima da figueira e ela não lhe fornece o bem que está destinada a produzir, ele a condena à esterilidade, dizendo: “Que ninguém coma de ti nenhum fruto.” Mas antes o evangelista destaca que ainda não era tempo de figos, de modo que Jesus não poderia encontrar o fruto que desejava. O que Jesus então está ensinando com essa parábola? Continuar lendo

COVID-19: Um projeto de poder

COVID-19: um projeto de poder em PDF

 

     Diante do problema da chamada pandemia do coronavírus, a população brasileira, em sua grande maioria, vem sendo manipulada por uma imprensa que faz um verdadeiro terrorismo psicológico, se demonstrando um braço político de uma elite de burocratas que querem o poder a todo custo. Continuar lendo

Para além da fé raciocinada  

Para além da fé raciocinada em PDF

 

     Os primeiros cristãos depositavam a sua fé exclusivamente na pessoa de Jesus, eles confiavam plenamente em sua pessoa, em virtude de seus atos excepcionais, de sua presença extremamente única. Nos primórdios, a fé era fomentada por meio de uma narrativa oral dos feitos de Jesus, e não propriamente por uma doutrina – excetuando o apóstolo Paulo, que já fala de Jesus a partir de uma interpretação teológica, mas isso entorno de trinta a quarenta anos depois de Cristo. Continuar lendo

A fé aumenta a força da vontade

A fé aumenta a força da vontade em PDF

 

      Inicialmente, Kardec considera a fé em seus aspectos mais imanentes. Ela pode ser entendida de duas formas: como confiança nas próprias forças, no poder de executar algo; e como certeza de que algo irá se realizar. Um se refere a confiança nas possibilidades presentes, o outro na confiança que um acontecimento futuro se realizará. Continuar lendo

Quem entra no Reino?

Quem entra no Reino? em PDF

 

Jesus estabeleceu em definitivo que seu verdadeiro seguidor é aquele que faz a vontade de Deus que está nos céus. E esta divina vontade é representada nos mandamentos, na lei divina. A vida moral que expressa o cumprimento da lei abre as portas do reino e é ela que difere o cristão daqueles que apenas dizem: “Senhor! Senhor!” Continuar lendo

A graça divina suplanta infinitamente o mérito pessoal

A graça divina suplanta infinitamente o mérito pessoal em PDF

 

     Diante dos problemas morais, parece que o Espiritismo considera demasiadamente o mérito pessoal como o elemento primordial para o progresso do Espírito e também para a salvação da alma. Mas o conceito de graça, enquanto ação abundante e gratuita da providência divina, é rigorosamente considerado, ressaltado e proclamado. Se no Continuar lendo

A verdade, os Espíritos e o julgamento do mundo  

A verdade, os Espíritos e o julgamento do mundo em PDF

 

     Desde a antiguidade, os legítimos emissários de Deus buscam realizar um objetivo principal no seio das sociedades: apresentar aos homens a vontade de Deus. A partir da ação dos profetas (médiuns) [todo profeta é médium, mas nem todo médium é profeta], os homens adquirem o conhecimento do bem e do mal e um conjunto de princípios éticos que devem nortear o comportamento. Continuar lendo

Jesus contra os cristãos

Jesus contra os cristãos em PDF

 

     Quando Jesus aborda o problema da salvação da alma, ele sempre destaca a caridade como o único caminho, como a única forma de conquistá-la, para além da fé na ortodoxia e da prática litúrgica. Mas é preciso considerar que ele fala para uma massa de Espíritos que se situa quase que exclusivamente na terceira ordem da escala espírita. Continuar lendo

Olavo de Carvalho e o Espiritismo

Olavo de Carvalho e o Espiritismo em PDF

 

Olavo de Carvalho e o Espiritismo

Uma consideração depreciativa, porém correta

 

 

Um leitor me enviou um seguinte pedido:

     Rafael, gostaria de sua opinião sobre um trecho do livro O Jardim das Aflições. Segue abaixo:

“No século XIX, o ocultismo e o espiritismo, amplamente disseminados entre as camadas letradas, explicarão o espírito como uma sutilização ou diluição da matéria, isto é, como matéria rarefeita. Mas ao mesmo tempo que os “espirituais” Allan Kardec e Madame Blavatski restauravam assim sem sabê-lo a física epicúrea, o materialista Karl Marx redigia sua defesa de Epicuro contra Demócrito. Coincidência nada fortuita: o afluxo maciço de militantes socialistas às fileiras do espiritismo e do ocultismo – um dos fenômenos mais marcantes da vida mental das classes letradas no século XIX – mostra a existência de uma afinidade entre essas duas correntes de ideias aparentemente antagônicas, afinidade que se explica facilmente pela sua origem comum na cosmovisão renascentista.”

Continuar lendo

O traje nupcial ou a purificação do Espírito

O traje nupcial ou a purificação do Espírito em PDF

 

     Na parábola do festim de núpcias se descortina, em um lance, a tragédia da verdade em um mundo regido por paixões cruéis. Ela é tão simples e ao mesmo tempo revela o gênio de Jesus que abarca a totalidade da peregrinação espiritual do homem, sua queda e sua redenção. Ela pode ser contemplada como um quadro, uma pintura de traços leves e tristonhos que condensa a trágica relação entre o Céu e a Terra, pois neste quadro terrível e ao mesmo tempo sublime, escorre inevitavelmente o sangue do justo por excelência. Continuar lendo

A vida mística na plenitude do corpo e do Espírito

A vida mística na plenitude do corpo e do Espírito em PDF

 

     Bem entendido o objetivo principal do Espiritismo, que é fomentar o desenvolvimento espiritual, impulsionar o advento do homem regenerado; cumpre também considerar que tipo de relação se deve manter com o corpo carnal, para que este não se torne um obstáculo em face do projeto de transcendência do ser. É sabido que boa parte das tradições religiosas estabelecem uma relação conflituosa com o corpo e os prazeres a ele vinculados. Nos textos doutrinários encontramos algumas menções o designando por vezes como “prisão”, “cárcere”, “lugar de exílio”, “nevoeiro da carne.” Então, o Espiritismo, de algum modo, mantém o conflito religioso entre corpo e Espírito? Continuar lendo

A mística através do mundo

A mística através do mundo em PDF 

 

     A prática religiosa do Espiritismo se concentra também no exercício da mediunidade esclarecida. Ela é eminentemente religiosa porque tal exercício deve estar sempre “sob os olhos do Senhor” e visar uma perfeita comunhão com os Espíritos do Senhor. O recolhimento, a prece e a purificação do coração são indispensáveis para se estabelecer essa refinada intimidade espiritual. Continuar lendo

Ascensão social e estagnação espiritual

Ascensão social e estagnação espiritual em PDF

 

     A vida social, em quase todos os seus âmbitos, apresenta um estrutura hierárquica onde há os chefes e os subordinados, o líder e os liderados, o governante e os governados. No Evangelho segundo o Espiritismo, esta estrutura é designada como a relação entre os superiores e os inferiores, ou seja, os que se encontram em posições sociais que lhes outorgam autoridade e os que devem obedecer. Continuar lendo

Amam o progresso, mas negam a santidade!

Amam o progresso, mas negam a santidade em PDF

 

     Quando converso com alguns espíritas ou espiritualistas, quase sempre se revelam algumas ideias fixas e típicas de nosso época, uma que insistem em proclamar é a que nega a possibilidade da santidade humana. Esta ideia fixa se traduz na seguinte frase: “Não acredito em homens santos.” E desde o alto de sua sabedoria, julgam a questão encerrada, e ainda se sentem todos os dias amando o progresso da alma humana. Continuar lendo

Assumir a tensão existencial e jamais abdicar de si mesmo

Assumir a tensão existencial e jamais abdicar de si mesmo em PDF

 

Diário Filosófico

Estudos de um aluno do Seminário de Filosofia do filósofo Olavo de Carvalho

 

Assumir a tensão existencial e jamais abdicar de si mesmo

 

         Compreendido o exercício do necrológio como uma forma de concepção de um eu ideal que corresponda as mais profundas e fiéis aspirações da própria alma, erigido no horizonte consciencial como um referencial ético para a transcendência do ser, entretanto, o filósofo Olavo de Carvalho ressalta que este ideal de perfeição da alma não deve ser tratado como uma abstração sofisticada e sem contato com a situação atual da pessoa. Continuar lendo