Perguntas que se podem fazer

Na época de Allan Kardec, as manifestações dos Espíritos se davam em toda parte, e chegavam notícias a respeito para além da Europa, advindas da América. De certo modo, então, a relação com os Espíritos era generalizada, muitos grupos se Continuar lendo

Das evocações

Esclarece Kardec que na comunicação com os Espíritos, a evocação, de forma geral, é um meio eficaz de se estabelecer um “laço” com o Espírito designado ao mesmo tempo em que se cria uma espécie de “barreira”aos Espíritos intrusos. Essa preocupação Continuar lendo

Opinião e Conhecimento

Uma vida sem investigação não merece ser vivida.” – Platão

                                                                      

Qual o valor da opinião? Tem ela alguma real legitimidade no processo de compreensão paulatina da realidade? Todas as conquistas efetivas da civilização, das Continuar lendo

A educação como consumação da decadência

 

“Agora seu rosto se inflama
Com esta juventude que jamais nos fugiu,
Com esta coragem que, cedo ou tarde,
Vence a resistência de um mundo inerte, estúpido,
Com esta fé que sempre mais elevada
Avança intrepidamente ou se curva ligeiramente,
Para que o bem aja, cresça, sirva,
Para que chegue enfim o dia dos nobres.”

                                                                 Goethe

Continuar lendo

Identidade dos Espíritos

O gênio de Allan Kardec é dotado de uma particularidade muito benevolente para com os que se iniciam na investigação dos mais altos problemas: ele transmite a toda a sua obra doutrinária um dos mais equilibrados e saudáveis métodos de exposição Continuar lendo

Mediunidade nos animais

De que a perfectibilidade (por si mesma) é marca patente e atributo espiritual da espécie humana

Introdução

Hoje, que os postulados da Doutrina Espírita estão devidamente apresentados e organizados pelo trabalho de Allan Kardec, é com facilidade que compreendemos que no mundo espiritual só há os Espíritos (princípio inteligente individualizado). Allan Kardec Continuar lendo

Análises do movimento espírita brasileiro 2/2

A análise do MEB (movimento espírita brasileiro) tem por critério fomentar também, e não somente, a compreensão histórica do Espiritismo. Na revista espírita Allan Kardec alertava constantemente para a necessidade de se reunir documentos, relatos e Continuar lendo

Ayrton Senna herói?

A banalização de certos conceitos e ideais realmente importantes é uma constante nos dias de hoje. O populismo aclamado por todos os cantos nacionais e sendo um dos instrumentos de manipulação da mídia elabora, como estratégia nefasta, a “sacralização” (valorização excessiva) da mentalidade popular, que significa a apropriação do senso comum, dos valores próprios da massa, da simbologia popular vaga e híbrida, dos sentimentos poucos cultivados e oriundos dos impulsos que surgem da vivência coletiva e inconsciente, enfim, tudo isso elevado à categoria dos altos valores. Continuar lendo

Disciplina do pensamento

Um dos problemas capitais é o da lucidez. De certo modo, é da natureza da mente se concentrar, pois quando estamos com a mente dispersa não quer dizer propriamente que ela não está concentrada, e sim que se concentra palidamente em muitos objetos, que é capturada por um fluxo incessante de imagens, ideias, vagando Continuar lendo

Análises do movimento espírita brasileiro 1/2

Aqui veremos como é desastrosa a falta de sentido histórico para se compreender a verdadeira batalha do Espiritismo em face das muitas mistificações que ocorreram desde o seu surgimento. Os espíritas, em geral, ficam apenas num entusiasmo vazio, reproduzindo um superficial discurso motivacional de cunho religioso, sem Continuar lendo

Sobre a resenha do livro Os Filósofos

Considerações sobre a resenha do livro Os Filósofos, de José Herculano Pires, realizada pelo Sr. Homem sem Sobrenome

(Continuação)

(para ver a primeira parte clique aqui)

Continuamos nossas observações (em vermelho) da resenha do livro Os Filósofos. Fazemos uso da 5ª edição, de 2010, da editora Paideia.  Continuar lendo

Influência moral do médium

A Ciência Espírita, estudando de modo objetivo e metódico o elemento espiritual, também realiza um aprofundamento sistemático na compreensão dos meios de relação entre o mundo invisível e o mundo corpóreo. Ela revela a dialética inerente no processo da comunicação espiritual através do instrumento mediúnico: se por um lado Continuar lendo

Papel do médium nas comunicações

É absolutamente errôneo pensar que o médium é tão somente um instrumento passivo dos Espíritos. Neste capítulo Allan Kardec estuda minuciosamente o papel do médium nas comunicações, quer dizer, faz uma análise do instrumento mediúnico, de como ele é usado efetivamente pelos Espíritos, quais os recursos do médium que são utilizados na produção dos fenômenos e como ele contribui na constituição da forma com a qual se materializa o pensamento dos Espíritos.

Continuar lendo

Necessidade da terminologia espírita 2/2

Ante as manifestações espirituais, Allan Kardec sustentou invariavelmente uma postura crítica, racional e científica, no sentido de conduzir sistematicamente uma investigação que correspondesse à natureza própria do objeto espiritual em estudo e Continuar lendo

Os médiuns

E as implicações da descoberta positiva da mediunidade

A mediunidade é uma faculdade humana, mas que está de modo essencial ligada à existência dos Espíritos. Ser médium, pois, é sofrer as influências dos Espíritos, é ter Continuar lendo

O Espiritismo como potência de enobrecimento da Cultura

A lenta instituição de uma Cultura Superior

Diante da cultura, a Ciência Espírita tem um papel extremamente importante, ela é mesmo um elemento vital para seu desenvolvimento, porque, sendo a cultura a Continuar lendo